Marcos Glória vence Calgary e entra para a história do rodeio mundial



Os três brasileiros que competiram no maior rodeio do mundo se classificaram para a tão esperada semifinal

Montar no Calgary Stampede é um sonho. Apenas 120 competidores têm a chance de realizá-lo quando são convidados para a disputa em seis modalidades: Touro, Tambor, Laço Individual, Bareback, Sela Americana e Bulldog. E concorrem a um prêmio total de dois milhões de dólares. Em Alberta, no Canadá, denominado ‘The Greatest Outdoor Show on Earth’, algo como ‘o maior show ao ar livre da terra’, o Stampede, que teve sua primeira edição em 1912, aconteceu em 2018 de 6 a 15 de julho.


A competição divide os atletas em duas turmas para a classificatória. A primeira turma de dez em cada modalidade concorreu de 6 a 9 de julho e os quatro melhores passaram direto para a semifinal. Depois, mais dez fizeram suas montarias e passadas de 10 a 13 de julho e mais quatro passaram para a semi. Os que não se classificaram tiveram outra chance no dia 14, onde os dois melhores em cada modalidade ganharam vaga.

A semifinal aconteceu domingo com casa cheia, como em todos os outros dias. Após as apresentações, os quatro melhores se classificaram para a grande final. Ufa! Cada campeão ganhou cem mil dólares de prêmio, fora o que acumulou nas demais fases da competição. Para efeito de classificação, foi considerado o dinheiro ganho através das performances diárias. Já os campeões foram definidos entre os de menor nota ou menor tempo.

Esse ano só tivemos brasileiros convidados para a Montaria em Touro. Marcos Alan estava na lista do Tie-Down Roping, mas está afastado após cirurgia. Fabiano Vieira montou na Turma A e carimbou vaga direto para a semifinal. Na Turma B, Marcos Glória, que mora e participa dos circuitos do Canadá, e Ramon de Lima, também não precisaram passar pela repescagem, indo direto para a semi. Ramon caiu, Fabiano marcou a maior nota – 88 pontos em Papa’s Rockstar – e Marcos foi o segundo melhor – 87,5 pontos em Wounded Warrior.

Fabiano, Marcos e ainda Ty Wallace e Joe Frost avançaram. Ficaram para trás nomes como Sage Kimzey, Cody Nance, Cooper Davis. Na final, os quatro caíram de seus touros, tendo que montar mais uma vez para chegar a um resultado. Na terceira rodada do dia, somente Marcos Glória parou – 76 pontos em Rattler – e sagrou-se o mais novo campeão do Calgary Stampede na Montaria em Touros.

Em um confronto familiar, Marcos montou Happy Camper na primeira rodada da final, um touro que ele ganhou seu primeiro título pela PBR em maio em Quebec, no Iron Cowboy do Canadá, e ficou 4s73 em cima dele. Levantou do chão sentido dores, mas desistir não era uma opção. Frost e Wallace já tinham caído novamente na terceira rodada, os demais campeões já tinham sido todos coroados, mas a multidão não arredou o pé. O título tinha ficado entre o novato Marcos e o veterano Fabiano. Para os fãs brasileiros, um êxtase.

“Eu estava esperando que ele fosse virar para direita”, disse Marcos sobre Rattler. “Isso era o que todo mundo que conhecia o touro tinha me contato, mas depois ele resistiu, e eu gosto desse jeito”. Ele falou em português para a torcida depois da vitória. “O Canadá é minha segunda família”, Marcos atualmente mora em Edmonton. Muitos não tinham escutado ainda o nome do brasileiro, mas de agora em diante isso vai mudar. Ele já está no top 30 do ranking mundial da PBR. “Todo mundo sonha em chegar a uma final mundial, comigo não é diferente. Estou aproveitando as oportunidades e dando 100% do meu melhor”.

No Bareback, o campeão de 2018 foi Richmond Champion. Quando ele sorteou Virgil para montar na rodada final, houve uma sensação de deja vú. Richie e Virgil haviam se encontrado em Calgary em 2017, quando o atleta também foi campeão. Na semi Richie marcou 88,5 pontos em True Grit e na final ele arrebentou com 92,5 sobre Virgil para ficar com o sua segunda fivela.

Na Sela Americana, o título parecia que ia para Zeke Thurston mais uma vez quando ele fez 89,5 pontos em Zoaria Hills na semi e marcou 90 pontos em Get Smart na final. Mas Ryder Wright vivia ótima fase no evento, havia montado para a casa dos 90 pontos a semana toda. Seu primeiro troféu em Calgary veio após uma montaria de 93 pontos sobre Stampede Warrior.

Tuf Cooper foi impecável no domingo. Na semifinal marcou 7s2 para vencer o round e avançar como favorito para a final no Tie-Down Roping. Campeão mundial e um dos nomes mais conhecidos do Laço no mundo, ele queria o bicampeonato no Stampede. Com 6s8 desbancou os demais concorrentes e ficou com o troféu e o prêmio em dinheiro. Caleb Smith, outro grande favorito, ficou com o segundo lugar, 7s1.

Sua esposa Savannah já tinha um troféu do Calgary Stampede em Três Tambores na sala da casa deles, em Cross Plains, Texas, e isso pesou um pouco na mente de Matt Reeves. Ao se classificar no Bulldog com o melhor ganho na Tuma B, ele perseguiu o título. Na semi marcou 4s0, ficando em segundo lugar, avançando para a final. No tudo ou nada, 4s7 foram suficientes para dar-lhe o esperado título do Stampede e o gordo prêmio em dinheiro.

Hailey Kinsel, de Cotulla, Texas, em sua primeira participação na National Finals Rodeo marcou o recorde da pista em 2017. Quase três meses depois esse feito voltou a se repetir, dessa vez no tradicional San Antonio Stock Show and Rodeo, começo de março. Montando DM Sissy Hayday, aka ‘Sister’, outro recorde batendo o menor tempo da arena. Atualmente ela lidera o ranking mundial WPRA e tem sido umas da mais vitoriosas da temporada. Com sua fenomenal égua palomina, levaram para casa mais uma importante fivela, a do Calgary Stampede. Na final marcaram 17s078.

Para todas as modalidades, é bom lembrar que os ganhos de Calgary somam para o ranking mundial da PRCA. Quer saber tudo sobre um dos eventos mais maravilhosos do planeta, clique aqui.

Outro brasileiro esteve por lá. O Cavaleiro das Américas Filipe Leite foi à cidade lançar a versão em inglês do seu livro.  ‘Long Ride Home’ é o título em inglês de ‘Cavaleiro das Américas’, livro lançado no Brasil em agosto do ano passado. A versão em português passou 11 semanas na lista brasileira de Best-sellers. Além das duas seções de autógrafos em Calgary, cidade que ele iniciou sua jornada épica em 2012 – quando veio do Canadá ao Brasil a cavalo -, ele curtiu toda a programação do Stampede.

Por Luciana Omena Fonte: Calgary Stampede Official e PBR Fotos: Covy Moore


FONTE: CAVALUS

NEWSLETTER

CONTATOS

+55 11 99457-7963

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon

© 2018 by Filipe Masetti Leite. Produzido por ACASADEARTE